Conseg homenageia e reivindica

Conseg homenageia e reivindica

Na última segunda-feira, dia 8, o Conseg do Parque São Jorge homenageou vários Grupamentos de Bombeiros da região e de outros bairros que realizaram ou apoiaram os atendimentos às ocorrências na Comunidade do Esmaga Sapo, próximo à Rua Aiamá, no fim do ano passado; na Unicid (Universidade Cidade de São Paulo), em fevereiro deste ano; e na Padaria Vera Cruz, em março último. Os certificados de honra ao mérito foram entregues pelo comandante da 2ª Cia. do 51º Batalhão da PM, capitão Edson Serra; pelo delegado titular interino do 52º DP, Eduardo Eugenio Salaroli Kosovicz; e por representantes do próprio Corpo de Bombeiros e da Guarda Civil Metropolitana.

DIRETORIA

Na mesma oportunidade, foi empossada pelo capitão Serra, oficialmente, a diretoria do Conseg que permaneceu com a mesma formação: Rogério Félix Martins (presidente), Cristiane Casseb (vice), Isabel Secco Dias (1ª secretária), Raimunda Aparecida (2ª secretária) e Dinael Wilson Milochi (diretor para assuntos comunitários). Após a posse, e a entrega de mimos relacionados à comemoração ao Dia das Mães, o presidente do Conseg se pronunciou agradecendo aos bombeiros por todo o esforço que têm feito para atender às demandas da região.

COBRANÇAS

Na sequência, Martins afirmou que a comunidade do bairro continuará unida para conquistar melhorias. Segundo ele, as cobranças com relação à zeladoria, prometida pelo prefeito João Doria Jr. durante o programa Cidade Linda, na Avenida Celso Garcia, vão continuar. A própria avenida, por exemplo, que foi incluída no serviço de tapa-buraco da Prefeitura, está fora da programação de recapeamento, mesmo sendo uma das mais esburacadas da cidade.

E A FISCALIZAÇÃO?

A fiscalização ainda é inexistente na região, mesmo após o prefeito ter anunciado a efetivação de novos agentes e ter prometido ações duras contra irregularidades de comércios. Na Rua Dr. José Elias Jordão, os moradores afirmam que os bares disputam para ver quem deixa a música mais alta, seja com grupos de samba ou no básico voz e violão. O mesmo problema ocorre na Rua Antonio Macedo, com os bares abusando do som a partir da quarta-feira e seguindo até domingo. Conforme vizinhos, seja com música ao vivo ou aparelhos de som ligados, o barulho começa por volta das 20 horas e só termina às 2 da madrugada.

É PRECISO UNIÃO

Agora, resta saber se esses comércios irão se enquadrar no projeto Bar Legal e se outros órgãos como CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e GCM (Guarda Civil Metropolitana) estarão presentes nas blitze prometidas pelo prefeito. Isso porque há bares utilizando os espaços das calçadas de maneira irregular e motoristas estacionando em frente a guias rebaixadas e sobre os passeios. Além disso, moradores ainda denunciam algumas transportadoras que não orientam seus motoristas sobre as leis de trânsito, gerando uma série de transtornos.

Sérgio Murilo Mendes

Deixe um comentário

*