Equoterapia mostra resultados no tratamento de esquizofrenia

Equoterapia mostra resultados no tratamento de esquizofrenia

A fisioterapeuta Sabrina Lombardi Breslau, que desenvolve um trabalho com cavalos há 13 anos como forma de terapia, descreve, em seu livro, as principais características e potencialidades desse tipo de terapia no tratamento da esquizofrenia. A autora acredita que essa técnica pode ser largamente difundida no Brasil.

“Atualmente, a mídia tem mostrado mais sobre o assunto, aparecendo, inclusive, em novelas, o que é muito bom. Em 2000, quando comecei, a equoterapia ainda era um tabu, mas já é um caminho – as pessoas estão pelo menos tentando se aproximar mais. Acredito que se fosse realizado um trabalho bem focado aos médicos, o retorno seria muito melhor, pois as famílias e os pacientes se prendem muito em indicação médica, então, essa falta de conhecimento acaba limitando as recomendações ao tratamento.”

BENEFÍCIOS
A obra é direcionada a profissionais da área de saúde que trabalhem com equoterapia, assim como a outros terapeutas, visando mostrar-lhes os benefícios que o cavalo pode proporcionar, assim como a familiares de pacientes com esquizofrenia. Foram nove meses de pesquisa concluída com experiência em campo e referências bibliográficas.

“O livro é apenas uma sementinha, uma revisão de artigos, livros, textos, e experiências de vida. É um estímulo para quem quiser se aprofundar no tema. A técnica nasceu através da Associação Nacional de Equoterapia (ANDE-Brasil), criada em 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos de caráter terapêutico, educativo, cultural, desportivo e assistencial, com atuação em todo o território nacional”, afirma Sabrina.

DESENVOLVIMENTO
Segundo a autora, a equoterapia busca o desenvolvimento global, respeitando as potencialidades e as limitações de cada paciente. O tratamento proporciona melhorias físicas e psíquicas, como: aceleração no aprendizado, desenvolvimento sensorial, aumento de memória e concentração, capacidade de relaxamento, organização do esquema corporal e do equilíbrio postural, desenvolvimento da flexibilidade mecânica e respiratória, controle da coordenação motora e da lateralidade, melhora no grau de inibições de padrões patológicos além de proporcionar maior independência e convívio social.

Deixe um comentário

*