ITAQUERA-GUAIANASES:  Moradores esperam por obras

ITAQUERA-GUAIANASES: Moradores esperam por obras

Moradores de Itaquera e Guaianases vivem a expectativa de que a Prefeitura possa resolver problemas de infraestrutura viária das regiões, que surgiram com o crescimento imobiliário, comercial e populacional de ambas.

Entre as dificuldades vividas por motoristas e passageiros de ônibus está a transposição entre os bairros, pois existem diversos gargalos no trânsito, principalmente com o estreitamento de avenidas como a Nova Radial, após o conjunto José Bonifácio, e a Estrada Itaquera-Guaianases, nos dois sentidos, entre a Avenida Nagib Farah Maluf e a Rua Salvador Gianetti, trecho de cerca de um quilômetro.

XV DE NOVEMBRO

O bairro de XV de Novembro, por exemplo, conta com uma das poucas saídas para a Radial pela Avenida Coroa de Frade, pois não há mais a estação de trem, que servia de ponto de passagem. Também faltam alças de acesso ou túneis para se chegar às regiões de Itaquera ou ao centro de Guaianases.

Passageiros do bairro Inácio Monteiro afirmaram que ficam horas presos no trânsito para chegar a Itaquera de ônibus. Em dias de chuva forte, como eles sabem que o centro de Itaquera alaga, eles procuram ir de trem, quando é possível.

INAJAR-GUAÇU

No caso da construção da passagem inferior Inajar-Guaçu, a mesma havia sido paralisada. O mesmo ocorreu com a canalização do córrego Rio Verde, no trecho da Avenida Jacu-Pêssego até a Avenida Campanella, com extensão de cerca de 300 metros. Quanto ao Viaduto de Guaianases, aguardava aprovação de projeto. Já os pontilhões das ruas Boaventura e Quinta de São Miguel, assim como as obras das ruas Monsenhor Agnelo e Damásio Pinto, aguardavam desapropriações. Infelizmente, tudo parou.

RESPOSTA

Por conta disso, a Gazeta da Zona Leste voltou a procurar a Secretaria de Serviços e Obras (antiga Siurb) para verificar se havia ocorrido alguma mudança, após o início do mandato de João Doria Jr.. Conforme a pasta, o contrato para execução das obras do prolongamento da Radial Leste foi suspenso pela gestão anterior, em 2015. A assessoria também adiantou que a suspensão foi mantida e o projeto passa por reavaliação de viabilidade de recursos.

Sérgio Murilo Mendes

Deixe um comentário

*