Não basta ser sem glúten, tem que ter nutrientes

Não basta ser sem glúten, tem que ter nutrientes

Os produtos sem glúten se tornaram a coqueluche dos adeptos de um estilo de vida mais saudável, mas alguns produtos são criticados por conterem altos níveis de gorduras e calorias. A alimentação orgânica e com base na responsabilidade socioambiental da marca Bobs Red Mill vem atraindo pessoas com doença celíaca, sensíveis ao glúten ou que buscam um estilo de vida mais saudável.

Entre os produtos de destaque estão: aveias, farinha de grão de bico com feijão fava (de baixo índice glicêmico), farinha de sorgo, de aveia, de amêndoas e o Mix 1 to 1 (farinha que substitui o trigo na mesma proporção nas receitas). A empresa é representada no Brasil pela Labra Importadora e Distribuidora.

Comer glúten pode gerar problemas graves de saúde para as pessoas que sofrem da doença celíaca. Mas qual o benefício para o resto da população? Apesar de alguns profissionais serem contra sua exclusão, para o Mohamad Barakat, nutrólogo e endocrinologista, falta um entendimento maior sobre o que o glúten pode fazer com o organismo, principalmente com o sistema digestivo.

Para o nutrólogo, o problema maior em relação a estas substâncias inflamatórias é que a pessoa vai sofrendo as consequências e só se detecta a presença de alguma intolerância quando já é “tarde demais”. Ou seja, sempre que a pessoa comer algo que tenha o glúten entre os ingredientes ela será vítima de uma reação que danificará o forro do intestino delgado e os nutrientes não serão absorvidos apropriadamente, o que desencadeará reações físicas extremas.

SUBSTITUIÇÃO

Porém, para os adeptos de um estilo de vida mais saudável de nada vai adiantar substituir o glúten por farinhas brancas e de alto índice glicêmico. Alguns alimentos livres de glúten foram feitos com grãos refinados e, por isso, só têm o endosperma e são menos nutritivos.

A farinha de sorgo é conhecida por adicionar sabor aos assados além de ser rica em proteínas, ferro e fibras dietéticas. Contém antioxidantes e pode ser adicionada ou substituída em qualquer receita de bolos, biscoitos, pães, panquecas e muffins. Por ter textura suave é uma das preferidas dos apaixonados por panificação sem glúten.

O grão integral de aveia em corte de aço é ideal para mingau, risoto ou qualquer outra combinação e preparo. Possui sistema de torrefação que realça o sabor robusto e saudável esperado e ajuda a diminuir o mau colesterol e o risco de doença cardíaca. Por atuar na saciedade, é altamente usada em dietas para redução de gordura corporal, ajudando ainda a baixar a pressão arterial e reduzir o risco de diabetes tipo 2, pois contém mais fibras solúveis do que qualquer outro grão.

A farinha de fava e grão de bico, além de não conter glúten é rica em magnésio (mineral responsável pelo metabolismo do cálcio). Tem elevado teor de ácido fólico e proteínas, ajuda a estabilizar o açúcar no sangue e é de baixo índice glicêmico. Ajuda a combater o mau colesterol, contém saponinas, fitoquímico, que age como antioxidante e diminui o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, protege contra a osteoporose e diminui fogachos da menopausa, por conter triptofano, ajuda na formação da serotonina e melhora a qualidade do sono.

Farinha de amêndoa. A amêndoa está entre os superalimento mais populares do mundo que possuem muitos benefícios para a saúde. Elas são uma grande fonte de nutrientes, como fibras, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais.

Deixe um comentário

*