PARQUE DO TATUAPÉ – Projeto não tem sequência

PARQUE DO TATUAPÉ – Projeto não tem sequência

Moradores do entorno do atual Parque Municipal do Tatuapé, criado em janeiro do ano passado (ex-Praça Lions Clube Penha), deixaram de se manifestar a esta Gazeta com relação aos problemas gerados pelo terreno. Durante os anos de 2013 e 2014, as discussões foram intensas no tocante à recuperação da área, inclusive com a participação de condôminos do edifício Splendor Square, de representante do Colégio Espírito Santo, do hoje deputado federal Andres Sanchez, do ex-secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Ricardo Teixeira, do vereador Toninho Paiva e de membros da diretoria do CDC Albino Grandi, em oportunidades distintas.

APARELHOS VAZIOS

Vários projetos foram apresentados por técnicos da secretaria do Verde e referendados pelo então subprefeito da Mooca, Francisco Carlos Ricardo. Três anos se passaram e, de lá para cá, pouca coisa saiu do papel, mas o espaço vem sofrendo com o tempo, seja pela sujeira, pelo número de usuários de drogas no local e até pelo furto de equipamentos. Atualmente, a área está cercada por grades, mas os portões ficam abertos.

Mesmo assim, a população não usufrui por conta da falta de segurança. Com isso, tanto os aparelhos de ginástica para a terceira idade, quanto o playground instalados no terreno ficam vazios.

Promessas de junho, de dar continuidade aos projetos, não foram cumpridas pela Prefeitura

Promessas de junho, de dar continuidade aos projetos, não foram cumpridas pela Prefeitura

SECRETARIA

Em junho deste ano, a assessoria da Secretaria do Verde informou que o projeto arquitetônico de implantação da 1ª fase do parque, com passeios, estares, administração, equipamentos de ginástica, playground, quadra poliesportiva e demais equipamentos estava sendo desenvolvido pela Divisão Técnica de Projetos e Obras.

A pasta relatou, também, que estava em desenvolvimento o projeto para implantação da infraestrutura necessária para o funcionamento do parque (rede de água, rede de esgoto e iluminação externa). Sobre a iluminação, a secretaria informou ter a proposta de viabilizar o projeto de energia solar por meio de Termo de Compromisso Ambiental.

VEREADOR

Já o vereador Toninho Paiva, que destinou R$ 350 mil para o projeto, revelou que a verba foi direta para a Secretaria, tendo como um dos responsáveis Fábio de Alencar Iorio, diretor do Departamento de Parques e Áreas Verdes (Depave). Conforme o parlamentar, o dinheiro será utilizado em sua totalidade, portanto, não retornar para nenhum lugar – fazendo referência ao Tesouro Municipal -, pois será aplicado no parque. Paiva ressaltou que, apesar do processo burocrático, a verba foi destinada e ele tem certeza de que o local terá melhoras significativas.

Deixe um comentário

*