PARQUE SÃO JORGE: Roubos apavoram moradores

PARQUE SÃO JORGE: Roubos apavoram moradores

O major Miguel Elias Daffara, comandante do 51º BPM/M, terá de reforçar a atenção do policiamento ostensivo para a região próxima ao Largo São José do Maranhão e ruas Santa Virgínia, Caetano de Campos, Antonio de Barros, Estrada Velha da Penha e outras que fazem parte da rota de usuários de drogas. De acordo com o presidente do Conseg do Parque São Jorge, Rogério Felix Martins, moradores estão sendo intimidados durante o dia e principalmente à noite.

MULHERES
Mulheres e idosos são os alvos preferidos dos viciados, sobretudo quando eles estão saindo da padaria ou supermercado. Além de querer que as pessoas lhes entregue os alimentos, os drogados tentam roubar bolsas ou celulares das vítimas. Martins afirmou que o padre da paróquia do Largo do Maranhão chegou a lhe pedir ajuda. “Fiéis e moradores deixaram de ir à missa e a frequentar a quermesse porque são abordadas a todo o momento pelos usuários de entorpecentes”, avisou.

DESVALORIZAÇÃO
Outro morador reclamou que a região continua se desvalorizando por conta desses casos. Muitas casas do entorno estão à venda ou disponíveis para alugar. Dinael Wilson Milochi, que além de representante da Subprefeitura Mooca é morador da região, pediu a união dos moradores para solicitar ao comandante da PM o retorno da base móvel ao Largo do Maranhão.

Adilson Prata pediu ajuda da PM para caso de perturbação de sossego

Adilson Prata pediu ajuda da PM para caso de perturbação de sossego

BASE MÓVEL
“Quando conquistamos a base o acordo era de que o equipamento ficasse por um tempo determinado em quatro locais diferentes da área administrada pelo 51º Batalhão da PM. Além disso, foram compradas bicicletas para ajudar no policiamento ostensivo. Contudo, tanto a base quanto as bikes estão paradas no batalhão”, reclamou Milochi. Ele ressaltou, ainda, haver a necessidade de um esforço conjunto entre os órgãos responsáveis pela iluminação e proteção aos espaços municipais, como a GCM, por exemplo.

FALSÁRIOS
Na Rua Santa Virgínia uma moradora informou que homens estão fingindo ser funcionários da Sabesp para entrar nas casas. Eles usam a artimanha de ter de verificar se o relógio precisa ser trocado por um mais moderno. Quando as pessoas abrem os portões, surgem outros comparsas e levam especialmente objetos eletrônicos, dinheiro e joias. Outro morador denunciou a presença de usuários de drogas na altura do número 600 da mesma rua e cobrou a presença do Ilume.

BARULHO
Adilson Prata pediu ajuda para a PM no sentido de tentar enquadrar na lei relativa à perturbação de sossego, motoristas que estacionam seus carros em um posto de gasolina na Rua Cristais, em frente ao número 66. Segundo ele, nos fins de semana, a partir das 18 horas, as pessoas param no local, abrem o porta-malas dos veículos e ligam o aparelho de som no último volume. “Liguei no 190 várias vezes, fui até o batalhão localizado na Ruas Andrés Lamas, mas a questão ainda não foi resolvida. “Solicito apoio, pois é constrangedor ter de levantar de madrugada para requerer que abaixem o volume da música”, completou.

O delegado titular do 52º DP, Vagner Pereira, e o representante da 2ª Cia. do 51º BPM/M no Conseg, 1º tenente Regazone, afirmaram que irão verificar o que está ocorrendo no local e tomarão as providências necessárias para conter os abusos.

Deixe um comentário

*