Quer emagrecer? Então durma mais

Quer emagrecer? Então durma mais

Ter uma noite bem dormida é um grande aliado para quem deseja emagrecer, afirma o especialista em performance humana, Theo Webert. Isso porque o sono interfere diretamente nas funções cognitivas e comportamentais do indivíduo – como aprendizagem, memória, cognição e imunidade -, além de ter ligação direta com a manutenção do metabolismo. Quando se dorme pouco – e de forma corriqueira -, o nível de cortisol (hormônio ligado ao estresse) aumenta e, consequentemente, o nível de melatonina (hormônio responsável por regular o sono) abaixa. A consequência disso é o aumento de gordura corporal – visto que horas mal dormidas podem desenvolver resistência à insulina, interferindo diretamente no pulso fisiológico do GH, ligado à manutenção da massa magra e queima de gordura.

PICO DE FOME
“Tudo isso gera um processo de ansiedade que pode aumentar o pico de fome, conta o especialista, e desregular o hormônio leptina (responsável pela saciedade) e o hormônio grelina (responsável pela sensação de sentir fome), causando um ciclo repetitivo e dificultando ainda mais a perda de peso”, explica o especialista.

“É importante frisar, no entanto, que o importante é a qualidade do sono, e não a quantidade de horas”, acrescenta. Apesar disso, estudos mostram que dormir de sete a oito horas por semana e de oito a doze horas por fim de semana é o suficiente para se ter um sono regenerador.

“Para as pessoas que sofrem de insônia, a sugestão é a ingestão de alimentos como cereja, abacate, uva, pistache, chás – principalmente o de camomila –, e até mesmo o chocolate, torna-se uma ótima opção para conseguir dormir a noite inteira. Mas, o essencial é começar a desacelerar as atividades foto estimuladoras para não interferir na produção de melatonina, hormônio responsável pelo sono”, finaliza o Webert.

Deixe um comentário

*