Receita particular vence e  paciente fica sem remédio

Receita particular vence e paciente fica sem remédio

Conforme regras da Anvisa, a receita de medicamento antibiótico é válida em todo o território nacional por dez dias a contar da data de sua prescrição. Mas e quando a pessoa vai até um posto de saúde no seu bairro, dentro da data, não encontra o medicamento, e a mesma vence?

Foi justamente o que aconteceu com a moradora do Tatuapé, Francisca Laudia de Moura. Ela foi até a unidade da Rua Antonio Camardo, no dia 18 de abril, com uma receita de azitromicina, que havia sido prescrita no dia 12 do mesmo mês.

A responsável pela entrega disse que não tinha o medicamento. Laudia então retornou no dia 25 de abril, mas não pode fazer a retirada porque a receita tinha vencido. Também havia a prescrição de omeprazol, que não foi entregue. “Sempre que vou lá nem olham na minha cara. As pessoas não explicam nada. Só dizem se tem ou não o remédio e fazem a entrega”, contou.

Casos como o citado pela reportagem não deveriam ter um respaldo da Secretaria Municipal da Saúde? A reportagem entrou em contato com a sua assessoria de imprensa, explicou o que havia ocorrido e questinou o que é passado aos funcionários quando isso acontece.

A Coordenadoria Regional de Saúde (CRS) Sudeste informa que os medicamentos citados já foram retirados pela usuária Francisca Laudia de Moura no dia 02/05. Não procede a informação de que os medicamentos azitromicina e omeprazol estiveram em falta na UBS Vila Santo Estevão nas datas mencionadas.

Por fim, esclarecemos que não foi possível trocar a receita vencida da usuária pois trata-se de um receituário emitido por serviço particular e não há registro de atendimento dela na rede pública da região. Para isso, ela precisaria realizar uma consulta com médico da UBS.”

Quanto à entrega do dia 02/05, a moradora confirmou que fez sim a retirada, pois como o seu tratamento é contínuo, ela teve um novo retorno com o médico, que é da rede particular porque o benefício é oferecido no local onde trabalha.

Deixe um comentário

*