Sem inconformismo não se evolui

Sr. redator:
“Muito se fala em produtividade, fazer mais com menos, otimizar tarefas e processos e ganhar competitividade. Porém, tamanho grau de maturidade não se alcança sem conflitos, sem inconformismos, características configuradas no mundo dos negócios como alicerces da superação.

Não exalto aqui aquele inconformismo revoltado que questiona, mas não provoca mudanças nem resulta em evolução. Refiro-me àquela inquietude diante do comum, à busca por soluções criativas para os problemas do cotidiano empresarial e à urgência por fazer acontecer.
Existe uma capacidade de evolução inerente ao ser humano que nos move em direção ao aprendizado contínuo, ao conhecimento e ao crescimento. E é esta capacidade que os gestores buscam em seus colaboradores. Quando existe um sentimento de pertencimento ao negócio, as conquistas são compartilhadas e o resultado é de todos. Em outras palavras, o segredo da produtividade empresarial reside nas pessoas positivamente inconformadas que se incomodam com a zona de conforto e estão dispostas a inovar e a evoluir.

Essas pessoas duvidam daquilo que as limita e tornam-se agentes de mudanças. Sabemos que o processo decisório está cada vez mais espremido em janelas curtas de tempo e os prazos de ação/reação são cada vez mais exíguos. Por isso, ao assumir a postura de um agente de mudança, as pessoas conseguem pensar em como maximizar os recursos existentes para que a organização alcance o melhor resultado. Dentre as limitações, justamente por ter um inconformismo calculado, o agente de mudança propõe sugestões inteligentes e coerentes com a estratégia de trabalho da empresa.

Não é fácil pensar no melhor resultado para toda a equipe e agir com transparência sem empurrar responsabilidades. Momentos de limitações são comuns em qualquer organização e nessas horas é que mais precisamos de contribuições para a evolução da empresa. Precisamos entender que quase nunca teremos todos os recursos disponíveis em mãos e o grande desafio é justamente saber contornar as limitações, gerando resultados extraordinários. É sempre fazer mais com menos.

A evolução da sociedade é uma etapa de transição na vida e no relacionamento das pessoas com os avanços da ciência. Adaptar-se às circunstâncias presentes e instantâneas da realidade mundial é questão de sobrevivência para as organizações. Ser inconformado exige um preço, porém a recompensa está em evoluir pessoal e profissionalmente numa escala jamais alcançada pelo comodismo.”

Carlênio Castelo Branco

Deixe um comentário

*