Tatuapé ainda tem ponto de madeira

Tatuapé ainda tem ponto de madeira

A reportagem desta Gazeta volta a falar do mobiliário urbano da cidade, mais precisamente sobre alguns pontos do Tatuapé.

Em 2013, a reportagem publicou a primeira reportagem sobre os pontos de ônibus de madeira localizados em ambos os sentidos da Rua Azevedo Soares, bem próximos da Rua Matos Guerra.

Passados todos estes meses, a reportagem voltou ao endereço para saber se os pontos foram substituídos. Mas nada aconteceu.

Quem continua a perder com esta situação são as pessoas que precisam esperar pela condução. Sem cobertura ou um banco para sentar e descansar, elas ficam desprotegidas em dias de sol, sob fortes chuvas e até mesmo quando cai aquela garoa bem fininha.

Já na Rua Lucilia de Queiróz, no Jardim Anália Franco, por meses o ponto de madeira que caiu ficou no chão. Até que foi colocado no lugar um novo totem de aço, que segue as novas regras do mobiliário urbano, mas também sem cobertura e bancos.

INÍCIO

Na segunda quinzena de dezembro de 2012, foi assinado o contrato com o Consórcio PRA SP (vencedor da licitação para a colocação dos novos abrigos e totens indicativos de paradas de ônibus).

De acordo com a SPObras, na época, a Concessionária PRA SP ficou responsável pela colocação de até 7.500 novos abrigos de ônibus e de até 14.700 totens (pontos) indicativos em toda a cidade.

Da data do seu início, a substituição deveria estar concluída em até 36 meses e, a esta soma, já estariam inclusos mais mil abrigos e 2.200 totens que seriam indicados pela Prefeitura para as novas obras de corredores de ônibus, ruas e avenidas, que não se sabe se todas saíram do papel. Ou seja, o prazo terminou em 2016.

A instalação das novas paradas teve início no dia 17 de fevereiro de 2013 com um custo previsto de R$ 700 milhões. O projeto faz parte da segunda etapa do programa Cidade Limpa, da gestão anterior. Em troca da instalação e manutenção, as empresas podem explorar a publicidade desde que esteja em conformidade com os padrões previstos na lei.

Deixe um comentário

*