Transformers – O Último Cavaleiro

Transformers – O Último Cavaleiro

O quinto filme Transformers – O Último Cavaleiro está longe do pior neste contínuo experimento, absurdo e barulhento, baseado em brinquedos Hasbro. Isso é graças, em grande parte, a uma pessoa: Anthony Hopkins.

Mas o que o sr. Hopkins, um vencedor de Emmy e Oscar, está fazendo em um filme de Transformers? Não está claro, mas ele traz uma dignidade para a empresa que promove esse capítulo sobre seus irmãos recentes. A narração também é uma atualização e, finalmente, uma “explicação” para o propósito de Stonehenge.

Mark Wahlberg, que se juntou à franquia no quarto filme, longo e enrolado, está de volta como o inventor desprezível Cade Yeager. À medida que esta história abre, Cade é um dos poucos humanos que ainda têm carinho para Autobots, os imigrantes robóticos do espaço exterior, mas cuja guerra com os Decepticons resultou em todos os tipos de estragos na Terra. O resto da humanidade ainda está irritada com eles por destruir uma cidade perfeitamente boa, Chicago.

Autobots e Decepticons transformam-se em veículos entre outras máquinas, uma visão de efeitos especiais que, aparentemente, nunca envelhece para os fãs da série. E eles têm, ao que parece, uma história em constante mudança. O combinado aqui envolve Arthur, Lancelot, Merlin e a Era das Trevas, que é onde o personagem do sr. Hopkins, Edmund Burton, entra.

Ele é um tipo de guardião da lenda Arthurian/Transformers e sabe que uma batalha climática de previsão longa vem para o controle da equipe de Merlin, uma relíquia antiga que tem poderes formidáveis quando exercida pela pessoa certa.

Neste caso, essa pessoa é Viviane (Laura Haddock), uma estudiosa britânica que é cética. Quanto à Stonehenge, bem, sem dar muito, digamos que os invasores do espaço estão chegando para sugar a vida do nosso planeta, e o grande monumento não é apenas o calendário mais clássico.

Também na mistura estão Lennox (Josh Duhamel), o militar dos filmes anteriores; Jimmy (Jerrod Carmichael), companheiro jokey do Cade; e Izabella (Isabela Moner). O melhor toque, porém, é Cogman (a voz de Jim Carter), o mordomo robótico de Edmund, uma espécie de C-3PO.

Esta série de filmes pode desejar ter tido a profundidade e a coerência da franquia “Star Wars”, mas é só uma homenagem. Cogman e Edmund têm alguns momentos espirituosos, mas faltam sequências mais complacentes.

Michael Bay dirige de novo, e ele e seus escritores (Art Marcum, Matt Holloway e Ken Nolan são creditados com o roteiro, e esses três, junto com Akiva Goldsman com a história) colocaram mais humanidade e menos acusações nesta história. Desta vez, Bay parece controlar sua tendência para perseguições de alta velocidade e confrontos robóticos.

Mas não se preocupe. Se, por algum motivo, as cenas de batalha prolongadas e incoerentes são o que você gostou nos filmes anteriores, o clímax ainda é esse. O filme é mais curto do que o último, porém, é consideravelmente mais suportável.

Deixe um comentário

*